APERTADOR DE BOTÃO;"ENTUSIASTA DA FOTOGRAFIA, HOBYSTA. AQUELE QUE AMA FOTOGRAFIA, MAS NÃO TEM NENHUMA BASE PARA FOTOGRAFAR, MAS TEM UMA MAQUINA"

em 17 de março de 2021

Um dos maiores fotógrafos do Brasil na atualidade no Brasil fez grandes revelações exclusivas ao blog do provocador falando francamente não apenas sobre o mercado da fotografia no mundo pós-pandemia e bastidores do mercado de eventos.

Angelo net -Como começou a sua paixão pela fotografia?

Ricardo Wichinsky - Sempre tinha isso em minha casa, uma máquina fotográfica que era do meu pai ainda está aqui comigo, um modelo de filme 6x 6, mas ele não era profissional,

Angelo net -Qual a sua dica para jovens que querem seguir os caminhos da fotografia?

Ricardo Wichinsky-Para quem quer iniciar estude muito, pesquise, aprenda sempre mais e mais, é um mundo em constante evolução, pois hoje um fotografo além de entender de iluminação, direção de modelo e por fim, edição, e ter alguma noção de produção, e sim a edição é uma ferramenta poderosa e muito importante nesse mundo digital.
Nesse meio nos encantamos facilmente com os lançamentos da indústria, com seus novos recursos, (eu mesmo estou atento a lançamentos maravilhosos no exterior), mas muitas vezes fora do nosso alcance…

A maquina fotografia e suas lentes são importantes, mas muito mais importante é quem opera o equipamento.
“ Então conheça seu equipamento e tire o melhor dele.

Angelo net-Ser fotografo em um mundo tão tecnológico onde todos estamos cercados por câmeras somos vistos o tempo todo e, ao mesmo tempo- geramos imagens qual o grande desafio do fotógrafo atualmente?

Ricardo Wichinsky-Sim, é o grande desafio, a fotografia surgiu na França em 1826, de lá para cá muita coisa mudou, eu mesmo fiz meu curso de fotografia no início dos anos 90, e adorava entrar no laboratório para revelar filme, era outro mundo, tinha que ter muito mais cuidado com a fotografia, pois só saberíamos o resulto dois ou três dias depois após a revelação do filme.

Ai veio a fotografia digital e seus aplicativos e tudo mudou, deixando a fotografia com a ilusão de que é descartável.

Ninguém mais revela no papel, daqui a 10, 20 anos muitas memorias estarão perdidas para sempre,

Aliás, já está acontecendo quem nunca perdeu uma imagem em um celular ou em um HD, mas as pessoas não se importam com isso.
“É só uma fotinho!

Angelo net-Como os aplicativos que transformam o mundo da fotografia?

Ricardo Wichinsky-Esse é o grande desafio de quem trabalha com isso nos dias de hoje , além da grande concorrência quer seja por profissionais ou“ apertadores de botão”, temos que enfrentar os Celulares e seus aplicativos, que banalizaram o trabalho do fotógrafo.

Angelo net-Como será o futuro da fotografia depois da pandemia?

Ricardo Wichinsky-Não sei como será, difícil prever nesse ambiente tão incerto, mas arrisco dizer que o mercado vai afunilar mais ainda, somente alguns eleitos vão conseguir ganhar algo, sem contar que os custos de ser fotografo estão cada vez mais altos. Para se ter uma ideia, lentes hoje custam de 1.000,00 até R$ 20.000,00.

Angelo net-As redes sociais ajudam ou atrapalham a fotografia?

Ricardo Wichinsky-As redes socias divulgam apenas isso, para a grande maioria das modelos não traz retorno algum, só faz a demanda por imagens aumentar, e com o grande volume de imagens fica difícil chamar atenção, mas isso e um caminho sem volta, e boa parte dessa demanda é suprida por “apertadores de botão” e celulares com seus filtros, ficando uma fatia bem pequena para trabalhos profissionais.

Angelo net-É um fato que o mercado de concursos de beleza passa por grandes dificuldades, apenas a crise economia explica a falta de investimento no setor?

Ricardo Wichinsky-A economia não vai bem por causa da pandemia, isso não é um fenômeno nosso e sim mundial, aqui em nosso país todos os setores estão sendo afetados pelo momento histórico que vivemos.
Porque com o setor de eventos seria diferente? Simples assim.
E para agravar mais ainda o setor de eventos por sua natureza já aglomera pessoas.

Angelo net-Qual o segredo para ser uma modelo de sucesso?

Ricardo Wichinsky-Não há receita do bolo, o que há é trabalho duro e assíduo, a concorrência entre elas também é gigante.
Mas vou deixar algumas dicas aqui espero que ajude.

  • Cuide de sua imagem, tanto fisicamente como a imagem que você demonstra para o público,

  • Respeite horários de compromissos

  • Não importa o seguimento que “você modelo” atue, se divulgue o tempo todo, tenha sempre material de qualidade pra isso.

  • Não exagere em filtros, quando há exagero todo mundo sabe que não é você, deixe o mais natural possível, mas sempre mantenha um bom padrão, uma boa produção, uma boa maquiagem,
    A afinal sua imagem é vai te trazer trabalho

Angelo net-Existe mais falta de profissionalismo entre as modelos ou entre os fotógrafos?

Ricardo Wichinsky-Tenho pouco contato com outros fotógrafos, acompanho mais nas redes sociais, tem gente boa por ai , e outros nem tanto e tem os apertadores de botão, também. Enfim esse mercado é um grande caldeirão, de falso ‘glamour’,

Quando o profissional é bom, atrás de uma bela imagem acredite tem muita dedicação, muito trabalho duro e muito planejamento.

Quanto as modelos, já passei por muitas situações em 8 anos que voltei a fotografar, e as meninas mudaram muito a forma de lidar com as coisas, antes as meninas respeitavam mais horários, por exemplo. Mas a já tive casos de atrasos superiores a duas horas por parte da modelo.
Ou cancelamento em cima da hora porque não fizeram a unha, ou, porque foram para balada e voltaram de ressaca, ai, locção , maquiadora, etc., e eu com aquela cara…

Angelo net-Como uma modelo pode reconhecer um grande fotografo?

Ricardo Wichinsky- Só olhar na rua e ver se ele passa de 1,80 m de altura (risos), mas basta ver o portefólio dele, procurar conversar com modelos que já realizaram trabalhos com este profissional, busque informações de como ele trabalha, acho que esses são dois pontos que evitam muitos problemas.

 

 


PARCEIROS